Para começar o post de hoje, preciso voltar um pouco no tempo e contar uma história mais antiga para vocês.

Não sei se você sabe, mas eu conheci o Thetahealing através de uma busca pessoal para me libertar da síndrome do pânico.

Eu conto mais sobre essa história nesse vídeo aqui:
https://www.youtube.com/watch?v=C0IuzE3lROQ&feature=youtu.be

Eu tive durante muito tempo na minha vida crises e mais crises de ansiedade e síndrome do pânico, e foi isso que me fez buscar uma cura emocional e energética e encontrei nas terapias holísticas muito mais do que isso: Encontrei uma profissão, uma missão, um propósito.

Mas voltando à minha viagem para a África, eis o que aconteceu: No meu voo, exatamente ao meu lado sentou uma menina, com seus 20 e pouquinhos anos (a idade que eu tinha na época das piores crises, quando eu não conseguia andar nem de carro) juntamente com sua família.

Conversamos um pouco, aquele papo de avião: “Primeira vez na África? Estão de férias? Pra que cidade vão?” etc.

Durante a decolagem, percebi um terço em suas mãos. Ela muito nervosa, cabeça baixa. O pai tentando acalmar. Ela começa a chorar, o desespero toma conta.

Eu me lembrei. Eu me lembrei de como era estar ali no lugar dela, de como era nada do que os outros falarem ajudar. Então eu não falei.

Enquanto uma psicóloga do banco de trás de ofereceu pra ajudar, enquanto as comissárias vinham uma a uma tentando acalmar (sem sucesso) e oferecendo todo o tipo da ajuda, eu fiquei em silêncio.

Porque eu sei. Eu sei que naquele momento ela não quer interagir com ninguém. Eu já estive naquele lugar.

Então eu esperei. escrevi em um bilhete:

Eu já tive síndrome do pânico. Sou terapeuta, se quiser conversar. Eu tenho um óleo essencial que pode te ajudar. A hora que quiser me chama.

Entreguei o bilhete. Ela me olhou com gratidão. Esperou passar e então conversamos. E ela me contou que estava estudando comunicação (como eu na idade dela), mas que estava pensando em estudar terapias por conta dessa experiência dela. Eram tantas sincronicidades… Ela agradeceu o óleo essencial, eu dei o meu de presente para ela.

Naquele momento percebi um presente do universo: Me ver do outro lado da ponte.

É um inferno passar pela ponte. É de grande ajuda ter alguém do outro lado te guiando e estendendo a mão. Mas é muito recompensador estar do outro lado da ponte, estendendo a mão. Sou grata.

Até amanhã!


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.