As pessoas costumam fazer a cirurgia de retirada do dente do siso (quando indicada) lá pelos seus 15 ou 16 anos.

Eu fugi disso o máximo que pude, haja visto que eu tinha até síndrome do pânico e uma cirurgia dessa era a morte para mim que não conseguia nem sair de casa nos dias mais sombrios.

Acontece que, graças à Deus, aos 23 anos minha saúde mental e emocional já eram outras e pela indicação odontológica eu precisava tirar meus 4 dentes.

Comecei pelo lado direito, a cirurgia de remoção de 2 dentes, que apesar de ter sido performada por uma dentista muito experiente e inclusive reificando, que me aplicou reiki a cirurgia toda, foi uma experiência bem traumática.

Pois bem, oito anos se passaram e eu precisei parar de fugir da segunda cirurgia, do lado esquerdo, já que vou usar aparelho e isso era requerido.

Chegado o dia, logo após abrir a minha gengiva recebo o seguinte recado de um dos dois excelentes profissionais que estavam me operando: “É… tirar o siso com 31 não é igual tirar com 23…”. O que ele quis dizer com isso? Eu imagino que com oito anos a mais, o dente estava mais “aderido” ali naquela “casinha” dentro da minha gengiva, e provavelmente deu mais trabalho hoje do que daria anos atrás.

Pois bem, isso me deu insights sobre muitas coisas na nossa vida, que são muito mais fáceis de serem resolvidas antes do que depois. Quanto mais cedo percebemos uma crença bloqueadora ou um padrão limitante, melhor é para nos livrarmos dele. É possível fazer isso a qualquer momento, mas se a gente, mesmo sabendo que há solução, segue cultivando essas coisas, vai ficando mais trabalhoso de nos livrar delas depois.

Achei que valia um “#FicaADica” aqui no blog.

Quanto ao dente, está tudo ótimo. Estou no meu segundo dia de recuperação cirúrgica, quase sem dor e aliviada por finalmente ter tirado isso do meu caminho.

Até amanhã!


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.